sexta-feira, 17 de julho de 2015

Solução à vista


A proposta é uma permuta do terreno da atual unidade, que está interditada, pela construção de uma edificação.  A nova unidade ficará bem próxima da antiga, com fácil acesso à população. A sugestão, porém, ainda será submetida à apreciação da Câmara de Vereadores. 

A prefeitura recebeu na segunda-feira, 13 de julho, a proposta da IAB Administradora de Bens com objetivo de promover uma solução definitiva para o antigo prédio que abrigava a Unidade Sanitária Prefeito Alwin Klotz.

A nova área construída será de aproximadamente 1.800,00 m² - cerca de 400 m² a mais que na antiga construção. O valor estimado da obra, já com o projeto, é de R$1.780.000,00, em um terreno de 4.302,44 m², na Rua João Vieira de Campos, no Centro. 

O investimento da construção do prédio ficará sob responsabilidade da construtora. Nesse caso, a prefeitura se comprometeu com as despesas da terraplenagem, a remoção do barro, construção do estacionamento e garagens cobertas e ajardinamento do local.

Com a apresentação do Termo de Intenção de Permuta de Imóvel, proposto pela empresa, se a Câmara de Vereadores autorizar a operação, Pomerode vai ganhar uma nova e moderna unidade de saúde. 

Toda a construção da nova unidade será realizada pela empresa, sem custos para o município. Em troca, a IAB ficará com o terreno onde está a atual unidade.

Conforme o Termo, o município fará a permuta do imóvel na Rua Hermann Weege, esquina com a Rua Jorge Jung, com área de 4.301,00 m², onde está o prédio da antiga unidade sanitária, pela construção de uma edificação onde será implantada a nova Unidade Sanitária Prefeito Alwin Klotz. 

“Pelo Termo de Permuta apresentado, o município ainda poderá reaproveitar todo material do antigo prédio, como, por exemplo, telhas, mobiliário e esquadrias, para utilizar em obras e reformas de escolas, creches e casas enxaimel. A demolição da atual unidade será feita pela prefeitura”, explicou o prefeito de Pomerode, Rolf Nicolodelli. 

O Executivo vai encaminhar o projeto para Câmara Municipal de Vereadores solicitando a autorização para formalizar a permuta. Se aprovado, o prazo para entrega da obra será entre 31 de julho e 30 de setembro de 2016.

O local está interditado desde julho de 2013 porque, segundo laudo pericial, corre o risco de desabar. Os serviços de saúde foram transferidos, sem prejuízo aos usuários, para outra unidade no Centro durante esse período. 

A secretária de Saúde de Pomerode, Waltraut Hinckeldey disse que “a população pomerodense merece um prédio novo e mais moderno.”

Jair Conrado Klebber, secretário de Governo, comentou que essa é uma grande oportunidade para Pomerode. “Se tivéssemos que fazer essa construção com recursos próprios, a prefeitura não teria condições. Fazendo esta permuta estamos conseguindo a construção maior, já com as exigências feitas pela Anvisa e poderemos reaproveitar alguns materiais existentes”, explicou.

Atualmente, com a estrutura onde funciona o posto de saúde do Centro, a prefeitura gasta R$10 mil/mês de aluguel. Ou seja, para chegar ao valor destinado pela iniciativa privada, através do Termo de Intenção de Permuta, seria necessário que a prefeitura economizasse por 178 meses, ou seja, mais de 14 anos, até chegar ao valor de investimento previsto neste documento.

Legislativo avaliará a proposta de nova Policlínica

De acordo com o presidente da Câmara de Vereadores de Pomerode, Amarildo da Silva, depois de diversos documentos enviados ao Executivo referentes ao posto de saúde, os vereadores ficaram surpresos com a coletiva de imprensa. Porém, afirmou que todos os critérios serão avaliados quanto à legalidade da proposta. “Em primeiro lugar vamos colocar a comunidade e analisar o que pode ser agregado às melhorias, sem prejudicar o cidadão pomerodense”, comentou.

A intenção, segundo Amarildo, é avaliar o terreno e todos os itens de forma ponderada. A agilidade da aprovação da proposta, vai depender das comissões legislativas.

Relembre o caso

Em junho de 2013, durante o uso de rolo compactador na obra de asfaltamento da via, houve movimentação do prédio e, por isso, foram suspensos os trabalhos e desativada a unidade.

As primeiras pequenas fissuras surgiram há cerca de cinco anos, mas entre 2010 e 2011 – durante a construção da Unidade do INSS, as rachaduras ficaram maiores e a situação foi agravada com o asfaltamento da via. Duas avaliações da estrutura foram realizadas pelas secretarias de Planejamento e Defesa Civil do município, mas o laudo definitivo foi realizado por uma empresa de engenharia de Blumenau. O laudo conclusivo apontou as principais causas das rachaduras, os riscos e qual a melhor solução para o local: correção ou demolição. Na época, de acordo com o secretário de Planejamento, todas as consultas e exames foram redistribuídos em oito postos de saúde da cidade e no hospital. Na unidade, trabalhavam cerca de 50 profissionais e eram atendidos, em média, 100 pacientes por dia. 

Fonte: Jornal Testo Notícias 
Fotos: Equipe TN

Nenhum comentário: